• Alessandra Girotto

Prometo solenemente que agora vou mudar! #SQN...

Atualizado: 19 de Dez de 2020

Por medo de sentir nossa dor, nossa frustração e na esperança de não sofrermos de novo a gente promete, com todas as nossas forças e boas intenções, que “nunca mais faremos isso de novo”.


Decretamos que “a partir de agora vou mudar”, “a partir de agora serei boa/independente/controlada”... A partir de agora “não vou me importar com o que os outros pensam…” - e por aí vai, não é?


Quem nunca se fez promessas do gênero que atire a primeira pedra…


O problema é que com promessas como essa empurramos ainda mais pra baixo do tapete nossa criança ferida, nossas mágoas, nosso lado destrutivo, nossa sombra. Passamos a ignorar com muito mais força a totalidade de quem somos e reforçamos nossa máscara.


Uma das consequências disso é um sentimento de culpa e uma sensação de sermos uma “fraude” (alguma de vocês já se percebeu se sentindo uma fraude? Eu já, umas tantas vezes…).


Porém, a verdadeira origem da culpa é a negação de mim mesmo. Ela vem do fato de que EU me rejeito.


Ao me rejeitar planto e colho rejeição do lado de fora. Isso porque no fundo sinto que o outro ama apenas a minha máscara, o que projeto, e não a mim. Isso cria a sensação que interpretamos como “a pessoa com que me relaciono não me ama”.


Pra hoje a proposta é olhar melhor pra voz do nosso crítico interno. Você consegue perceber a voz da sua auto-exigência, do seu perfeccionismo, da sua cobrança interna? Como ela aparece? Quais são as coisas e as formas com que você se cobra? (tem uma área ou forma específica?)


Eu sou uma pessoa muito crítica. Quando comecei a olhar parecia que nunca daria conta dessa lado. Hoje vejo que era outra ilusão!

É verdade que tenho bastante auto-exigência (e que ainda caio nela), mas já vejo que sou eu quem crio, assim como escolher atuar ou não com ela. Soltar ainda está em processo, mas só de ver e reconhecer já liberou um mundo de coisas por aqui.


O convite hoje é olhar e questionar onde isso atravessa sua vida. O quê e quanto você exige de você? Quais as principais áreas onde isso acontece? Como essa voz aparece?


Olhe para isso e questione: precisa mesmo ser assim? É absoluta verdade isso que digo sobre mim e sobre a situação?pra isso, é preciso querer ver, querer cuidar, querer acolher… Bora?

🦋 𝑨𝒍𝒆𝒔𝒔𝒂𝒏𝒅𝒓𝒂 𝑮𝒊𝒓𝒐𝒕𝒕𝒐 – Sou mãe, psicanalista e consteladora. Trabalho conjuntamente com várias terapias complementares e atualmente participo do Programa Pathwork® de Transformação Pessoal.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo